BACIAS HIDROGRÁFICAS – Frente Parlamentar da Matriz Produtiva dos Biodigestores debate conservação da bacia dos rios Turvo, Santa Rosa e Santo Cristo

2 meses atrás
206 Views

A Frente Parlamentar da Matriz Produtiva dos Biodigestores, em conjunto com a Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembleia Legislativa do RS, promoveu, nesta segunda-feira (31), audiência pública virtual para debater como o uso dos biodigestores pode auxiliar na preservação das Bacia Hidrográfica dos Rios Turvo – Santa Rosa – Santo Cristo.

A presidente da Frente, deputada Zilá Breitenbach, observou que a preservação das bacias hidrográficas é de extrema importância para garantir água potável de qualidade aos cidadãos, além de ser imprescindível para projetos de irrigação que permitam que os produtores rurais sigam produzindo com qualidade mesmo em tempos de estiagem. Neste contexto, os biodigestores são uma alternativa na conservação dos recursos hídricos, sustentou.

O professor Fauzi Shubeita, da Faculdade Horizontina, disse que o Rio Grande do Sul está perdendo recursos ao não transformar os dejetos da produção suína e bovina, concentrados na região Noroeste, em energia e fertilizantes. Para ele, é necessário um plano de estado para desenvolver a matriz produtiva do biodigestor. O professor considera o reaproveitamento de dejetos como uma das formas mais viáveis de preservar a saúde dos mananciais.

O pesquisador da Embrapa Suínos e Aves de Concórdia (SC), Alexandre Matthiensen, apresentou o resultado do projeto realizado na bacia do Rio Jacutinga, no oeste catarinense – região semelhante ao noroeste gaúcho, caracterizada pela produção de suínos e aves. Conforme ele, a criação extensiva de suínos e aves, sem cuidados com os dejetos, pode levar à vulnerabilidade hídrica das propriedades e, em consequência, atingir mananciais, rios e seus afluentes. Alexandre relatou que dos 2.500 poços profundos existentes legalmente na região, 648 estão secos. Por problemas de manutenção e manejo, acima de 50% deles apresentam contaminação por coliformes totais (fecais e de outras naturezas).

O problema da contaminação também foi abordado pelo professor da Uergs/Três Passos, Marlon Vasconcelos acredita que a utilização do biodigestor pode sanar grande parte do problema, além de ter grande potencial econômico. Eduardo Souza, também professor da Uergs/Três Passos, disse que o estado poderia criar unidades demonstrativas para motivar o produtor, e os biodigestores fazer parte de programas governamentais interrelacionados ao armazenamento irrigação e conservação das águas.

A demanda ambiental foi destacada pelo diretor de Políticas Agrícolas e Desenvolvimento Rural da Secretaria da Agricultura, Ivan Bonetti. Ele salientou que o rebanho gaúcho deve aumentar com o recente reconhecimento do RS como zona livre de febre aftosa e em consequência haverá aumento dos dejetos, prejudicando o meio ambiente. Bonetti anunciou que o secretário Covatti Filho designou um servidor para acompanhar os trabalhos da Frente Parlamentar da Matriz Produtiva dos Biodigestores.

A professora da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Suelen Paesi, sugeriu que o gerenciamento adequado dos dejetos tenha financiamento, a partir de pesquisas. Conforme ela, no RS há apenas 28 plantas de biogás, enquanto que no Paraná existem 116.

O prefeito de Harmonia, Lico Fink (PSDB), ressaltou a necessidade da participação das indústrias integradas à produção de aves e suínos na efetivação do processo de utilização do biodigestor dentro das propriedades.

Também se manifestaram o secretário-adjunto da Secretaria do Meio Ambiente e da Infraestrutura, Pedro Pereira; a coordenadora do Balcão da Fepam Santa Rosa, Eleanor Linauer; o presidente do sistema Ocergs/Sescoop, Virgílio Perius; o diretor-executivo do Sindicato das Indústrias de Produtos Suinos do RS, Rogério Kerber; o diretor da Emater, Alencar Rugeri; o presidente do Comitê de Gerenciamento das Bacias Hidrograficas dos Rios do Turvo/Santa Rosa/Santo Crito, Adilson Steffen, o presidente da CAPC, deputado Adolfo Brito (PP) e o dirigente da Bacia Litoral Médio, Luiz Elidio Sobreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *