SAÚDE – Comissão Especial do Câncer Infantil e Adolescente presta contas durante audiência pública

1 mês atrás
251 Views

 Na noite desta quarta-feira (19), como presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da ALRS a deputada Zilá Breitenbach participou de audiência pública da Comissão Especial do Câncer Infantil e Adolescente no RS, presidida pelo deputado Dr. Thiago Duarte (DEM).

Na oportunidade foram prestadas contas das atividades realizadas pelo órgão temporário ao longo dos últimos quatro meses. A previsão é que os integrantes da comissão apreciem o relatório final, a cargo da relatora, deputada Franciane Bayer (PSB), no começo de março.

“Satisfeita em acompanhar este trabalho, é isto que queremos. Não termos Comissões por ter, mas sim para chegarmos a algumas conclusões e a partir destas avançarmos na busca por melhores atendimentos, neste caso para os pacientes de câncer infantil e adolescente”, explicou Zilá.

A partir dos encaminhamentos citados, os deputados vão buscar apoio para conseguir melhorar o atendimento nesta área, afinal são 300 novos casos ao ano deste tipo de câncer no país.

Confira, os sete encaminhamentos que devem compor o relatório final da Comissão:

  1. Presença de oncologista pediátrico nos hospitais habilitados a receber e tratar pacientes de câncer infantil;
  2. Hospitais habilitados a tratar de câncer infantil devem ter expertise e experiência para atender pacientes oncológicos pediátricos (pelo menos 30 casos novos ao ano);
  3. Hospitais que recebem pacientes de oncologia pediátrica devem ter um ambulatório de parecer/diagnóstico de “porta aberta”, facilitando o princípio basilar do SUS, que é a acessibilidade. A regulação dos pacientes ocorre depois;
  4. No RS e, em especial, em Porto Alegre se deve ampliar a rede de casas de apoio exclusivas para atender famílias e pacientes com câncer infantil;
  5. As equipes de atenção básica e de estratégia de saúde da família devem ser capacitadas para suspeitar do diagnóstico do câncer infantil;
  6. Os encaminhamentos entre os centros de referência precisam acontecer de forma desburocratizada;
  7. Diminuir índices de mortalidade e morbidade no Rio Grande do Sul, aumentando a sobrevida, estes são os objetivos.

Presenças

Também participaram representantes das Secretarias Estaduais de Saúde, de Educação e de Comunicação; da Casa Civil; do Ministério Público do RS; do Instituto do Câncer Infantil; da Santa Casa de Misericórdia; dos Hospital São Vicente de Paulo; do Hospital Geral de Caxias do Sul; do Hospital Universitário de Santa Maria; do Hospital de Clínicas de Porto Alegre; do Instituto Ronald McDonald; da OAB/RS; da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia; do Cremers, Amrigs, Simers, entre outras entidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *