Inclusão do Escotismo no Plano Estadual de Educação, proposta por Zilá, vira lei no Estado

4 meses atrás
17 Views

O governador Eduardo Leite sancionou, nesta quinta-feira (31), em ato no Palácio Piratini, em Porto Alegre, Lei de autoria da deputada Zilá Breitenbach (PSDB), que inclui o Método Educativo Escoteiro no Plano Estadual de Educação (PEE). Agora, o Escotismo passa a integrar as ações que contribuem com a melhoria dos indicadores educacionais do Estado. Acesse a Lei 15.358/2019

De forma prática, o Movimento Escoteiro se torna, a partir da Lei, referência no apoio à concretização das diretrizes do PEE, em especial na superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da cidadania e na erradicação de todas as formas de discriminação; na formação para o trabalho e para a cidadania, com ênfase nos valores morais e éticos em que se fundamentam a sociedade; na promoção dos princípios ao respeito dos direitos humanos, à diversidade e à sustentabilidade socioambiental, à orientação sexual e às escolhas religiosas; no combate ao racismo e a todas formas de preconceito; e na promoção da conscientização no ambiente escolar da necessidade da proteção e da preservação do meio ambiente.

Zilá integra a União Parlamentar de Escoteiros do Brasil (UPEB) e tem atuado de maneira intensa no Parlamento gaúcho a favor de matérias que beneficiam o Escotismo. Segundo a deputada, o Movimento Escoteiro proporciona à juventude ações produtivas e por isso merece maior atenção do Poder Público. “Os escoteiros cultivam valores de cidadania, amizade, respeito ao próximo, cuidados com a natureza e espiritualidade. Devemos apoiar iniciativas que contribuam com a construção de um mundo melhor por meio da formação dos nossos jovens”, concluiu.

A parlamentar tucana também é autora de projeto que assegura a permanência dos grupos escoteiros instalados no interior das escolas da rede pública estadual. De acordo com o Projeto de Lei 65/2019, em tramitação na Assembleia gaúcha, a decisão quanto à permanência dos grupos escoteiros em funcionamento nas escolas estaduais caberia aos Conselhos Escolares. Atualmente, essa decisão pode ser tomada de forma monocrática, apenas pela direção da instituição de ensino.

Texto: Luís Gustavo Machado (Jornalista – MTE 15280)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *