Violência juvenil é pauta de reunião com a Chefe de Polícia do RS

3 meses atrás
219 Views

Na tarde desta segunda-feira (02) a Deputada Zilá Breitenbach esteve reunida com a chefe de Polícia do Rio Grande do Sul, Nadine Anflor, falando sobre o aumento dos índices de violência juvenil e o número de suicídios entre os jovens. Este é um tema que será abordado na Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência do RS, da qual Zilá é presidente.

A deputada mostrou sua preocupação com o tema e anseio na busca de soluções. “É importante que busquemos união entre as várias entidades para auxiliar neste problema que se agrava cada vez mais na nossa sociedade. Recentemente participei do Seminário “Promoção e Defesa da Cidadania”, promovido pela Unale, onde entre os temas abordados estava o suicídio. Segundo dados da OMS, o suicídio representa atualmente cerca de 1,4% das mortes em todo o mundo, sendo a segunda principal causa de óbitos entre os jovens de 15 a 29 anos”, alerta Zilá.

Conforme a Delegada Nadine, a Polícia Civil desenvolveu dois projetos que vão além da repressão e trabalham na prevenção da violência entre os jovens. Um deles, o “Papo de Responsa”, é um programa com atuação junto às escolas que desenvolve um diálogo descontraído sobre prevenção à violência e o papel do policial na sociedade. O outro programa é o “Galera do Bem”, onde um aluno, líder de turma (escolhido pelos colegas), é habilitado para mediar conflitos na escola.

Nadine também relatou à Deputada que na manhã do mesmo dia esteve presente no Ato de Assinatura do Termo de Cessão de Imóvel para a instalação da 1ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) especializada em vulneráveis no Estado. O local, que contará com salas específicas para escuta, atendimento psicológico, assistência social e mediação, foi cedido pela prefeitura de Porto Alegre. O projeto foi criado em janeiro deste ano com o objetivo de conceder um espaço exclusivo para o atendimento da população vulnerável, como mulheres, idosos, crianças e adolescentes, além de vítimas de preconceito e discriminação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *