Biodigestor: Geração de energia e renda

3 meses atrás
339 Views

 

O destino ecológico dos dejetos e resíduos oriundos das criações de suínos e bovinos não é razão única para a implantação dos biodigestores. A biodigestão gera gases que podem ser convertidos em energia elétrica. Produtores da Europa já utilizam essa fonte renovável em larga escala.

A busca das soluções sustentáveis para estes materiais uniu universidades e instituições de pesquisa e inovação, investidores, órgãos governamentais, bancos e representações dos setores produtivos em Grupo de Trabalho. Também foi criada pelos deputados gaúchos a temática Frente Parlamentar da Matriz Produtiva dos Biodigestores.

O resultado do planejamento de ações articuladas entre os atores governamentais e econômicos da matriz produtiva visando a solução para a demanda, que cresce no Estado, foi a elaboração de um marco legal para o biogás, o PL nº 086/2018, e um programa entregue ao governo, o Pró-Biodigestores, de integração e incentivo para a cadeia produtiva dos biodigestores.

O governo já sinalizou positivamente à aprovação do marco legal do biogás (já há para o biometano). Um grande programa de Estado, de política pública de incentivo à geração de energia renovável a partir dos dejetos dos animais e resíduos domiciliares (o lixo urbano também gera o gás de origem biológica metano), será praticamente necessidade e consequência da aprovação do marco legal.

A geração de energia a partir dos resíduos estabelecerá fonte de renda ao empreendedor e inovadora forma de preservação dos recursos naturais.

O aproveitamento dessa fonte de energia renovável ainda melhora as condições de manejo e a capacidade de alojamento de animais na propriedade, além de aumentar a receita tributária da cadeia produtiva e fixar o homem no campo.

Restará a necessidade de uma postura nacional mais favorável à energia gerada a partir da biomassa, com benefícios tributários, redução das dificuldades impostas à geração distribuída e estímulo à inovação e modernização das pequenas soluções energéticas, bastante positivas para a redução dos efeitos das mudanças climáticas.

Zilá Breitenbach

Deputada estadual (PSDB), Vice-presidente da Assembleia Legislativa

*Artigo publicado no Jornal do Comércio em 28 de maio de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *