SUSTENTABILIDADE COM PRODUTIVIDADE

2 anos atrás
90 Views

FACE_ARTIGO_JC

 

Quando se fala em produção rural, duas preocupações são centrais: a questão econômica e a ecológica. Temos de produzir para gerar bem-estar social e econômico hoje, mas não podemos deixar de pensar no amanhã, no futuro dos recursos e da própria atividade. É por isso que devemos desenvolver alternativas nessas áreas, que sejam produtivas e deem resultados para todos. Falo de iniciativas que tanto preservem os recursos naturais como gerem lucratividade para quem vive no campo.

Esse é um debate que deve ser intensificado, sobretudo porque, com os avanços tecnológicos, é cada vez mais possível produzir de forma limpa e eficiente. Soluções como os biodigestores devem ser desenvolvidas e estimuladas. Trata-se de mecanismos que, através de processos anaeróbios, eliminam os patógenos dos resíduos e dejetos, aceleram a decomposição da biomassa e ainda são capazes de gerar energia elétrica e térmica (biogás). Sua aplicação é diversa – do setor agropecuário ao tratamento de resíduos dos domicílios e de alguns tipos de indústria. Ou seja, temos com isso um potencial ecologicamente sustentável e financeiramente vantajoso, que pode ser bastante explorado por diversas cadeias produtivas.

A segurança e a eficiência dos biodigestores também têm evoluído. Porém, sua produção em escala ainda enfrenta obstáculos, da descrença e rigidez das autoridades ambientais à falta de estímulos ao seu uso. Instalá-los nas propriedades gaúchas de criação de animais proporcionará redução nos riscos de contaminação de nossos recursos hídricos. Também, é possível aproveitar o potencial energético dos resíduos orgânicos, antes de usar os dejetos como fertilizantes.

Por isso tudo, realizamos proveitosa audiência pública na Assembleia Legislativa, no dia 10 de abril, para debater, com órgãos políticos e especialistas envolvidos, a validação dessas novas tecnologias e as formas de incentivar sua implantação. Para que tenhamos resultados de fato, encaminhamos a formação de um grupo de trabalho que tratará de políticas e diretrizes para a viabilização técnica, produtiva e financeira para a utilização de biodigestores. Fomentar a efetivação de projetos como esse trará evidentes ganhos à saúde pública, à sustentabilidade do agronegócio e à fixação do homem no campo, com qualidade de vida e rentabilidade.

Publicado no Jornal do Comércio, em 24 de abril de 2017.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *